sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Goiânia: Recém-inaugurado, túnel da Avenida Araguaia amanhece pichado

25/10/2013 - A Redação


Entregue na noite de quarta-feira (23/10) pela Prefeitura de Goiânia, o túnel da Avenida Araguaia, que está liberado para tráfego de veículos, amanheceu com marcas de vandalismo.

O local, que ainda conta com reforço no paisagismo, já tem pichações nas paredes laterais ao longo de toda sua extensão. A solenidade de inauguração fez parte da festa de comemoração dos 80 anos de Goiânia, que contou ainda com o show da banda mineira Jota Quest.

Inauguração

Na madrugada desta quinta-feira (24), o túnel Jaime Câmara, que liga a região Central à zona norte da cidade, já estava funcionando. Ele possui 296 metros de extensão por 18 metros de largura. Sobre o túnel foi instalada uma passarela para pedestres, ligando o Mutirama ao Parque Botafogo.

A inauguração do túnel contou com as presenças do ex-prefeito Iris Rezende (PMDB), do Arcebispo Washington Cruz , de deputados estaduais e federais, bem como do secretariado municipal, que fez questão de comparecer em peso para prestigiar Paulo Garcia.

Fonte: A Redação

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Prefeitura inaugura túnel da Avenida Araguaia

24/10/2013 - Prefeitura de Goiânia

O prefeito Paulo Garcia inaugurou na noite de ontem, 23, o túnel da Avenida Araguaia, que recebeu o nome de Jaime Câmara, em homenagem ao fundador do Grupo Jaime Câmara. O prefeito fez o corte da fita, acompanhado pelo arcebispo da Região Metropolitana, Dom Washington Cruz, pelo ex-governador Iris Rezende, deputada federal Íris Araújo, secretario municipal de Obras (Semob) Luciano de Castro, e vice-prefeito Agenor Mariano.

Após o descerramento da placa inaugural, Paulo Garcia agradeceu a todos que trabalharam para que a obra fosse realizada no período de sete meses. "Essa obra se encaixa perfeitamente no nosso programa de governo, no que projetamos para o futuro de Goiânia, uma cidade sustentável, com preservação ambiental, porque permitirá agora, com o desenvolvimento da flora que deverá cobrir a parte superior do túnel, a unificação do Parque Mutirama", observou.

O secretário Luciano de Castro destacou que o túnel foi realizado inteiramente com recursos da prefeitura, que entendeu a importância do empreendimento para a cidade. "O túnel dará mais agilidade ao trânsito aqui na região, pois irá desafogar o tráfego de veículos na Marginal Botafogo, 5ª Avenida, Avenida Contorno e Avenida Goiás", ressaltou, lembrando também que ele irá proporcionar beleza e bem estar aos visitantes que percorrerem as imediações do complexo do Parque Mutirama.

O túnel da Avenida Araguaia possui 296 metros de extensão por 18 metros de largura e sobre ele foi instalada uma passarela para pedestres com 36 metros, ligando o Mutirama ao Parque Botafogo. A passarela ainda receberá obras de jardinagem, composta por grama e plantas ornamentais, que começa a ser feita nos próximos dias pela prefeitura.

Após a inauguração, o público pôde assistir gratuitamente ao show da banda Jota Quest, atividade também realizada em comemoração aos 80 anos de Goiânia.

A programação de homenagem à capital continua no período da noite. Às 20 horas, o chefe do executivo municipal, acompanhado do ministro do Esporte, José Aldo Rebelo, e do secretário nacional de Esporte, Ricardo Cappeli, participa da abertura da 61ª edição dos Jogos Universitários Brasileiros (Jubs). O início das atividades e a a maioria das competições acontecerão no Clube do Sesi Antônio Ferreira Pacheco. A previsão é que mais de três mil atletas participem do evento que terá jogos e provas em dez modalidades esportivas individuais e coletivas.

Para encerrar as atividades desta quinta-feira, a Orquestra e o Coro Sinfônico prepararam um concerto especial. A apresentação será no Teatro Sesi, com a regência do maestro Norton Morozowicz.

Fonte: Prefeitura de Goiânia

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Rodoferroviária de Curitiba: Reforma cria despedida antecipada

22/10/2013 - Gazeta do Povo

Uma legião de solitários assola a nova área de embarque da Rodoferroviária de Curitiba. O ambiente, inaugurado no início do mês como parte das obras de reforma e ampliação do local, está mais sisudo do que de costume. As despedidas prolongadas em frente dos ônibus, com direito a declarações apaixonadas de última hora, acenos pela janela e conselhos de mãe para não pegar friagem, ficaram pra trás. Quem tem bilhete na mão, passa adiante. Quem não tem, fica do lado de fora. Resumo: agora é abraço e tchau.

Desde a abertura da nova área de embarque, que será replicada na ala estadual, hoje em obras, o acesso dos passageiros é controlado por 12 catracas. Um visor ótico lê o código de barras anexado aos bilhetes de viagem e, em seguida, duas portas de vidro se abrem, dando passagem ao viajante. Assim, quem chega até ali acompanhado precisa se desvincular do acompanhante para repousar nas novas poltronas da Rodoferroviária enquanto o ônibus não chega.

Os equipamentos ainda confundem muita gente e provocam reações negativas em tantas outras, como o casal de namorados Maicon Rodrigues e Cíntia do Nascimento. Na última quarta-feira, lá estavam os dois, abraçados de pé em frente as catracas. Ela, rumo a Joinville. A aglomeração no lugar, o desconforto e a apreensão de não saber se o ônibus já chegou cortaram o clima. "Não tinha problema algum a pessoa ir ali dentro dar tchau. Acho que a maioria não vai gostar disso [do controle no acesso]", disse Maicon.

Orientação

Para ajudar na orientação e no momento da passagem pelas catracas, a Urbs colocou pela Rodoferroviária 40 funcionários, além de 100 cartazes indicando o local de embarque e venda das passagens. A promessa é que, na entrega final da obra, prevista pra maio, haja uma sala de espera para passageiros e acompanhantes, antes da área de embarque. Nada muito amplo.

Ao lado da namorada, o curitibano Renan Penatti também teve de se despedir mais cedo da mãe, a paulista Mércia Penatti, que ficou uma semana na cidade. Dessa vez, nada do rapaz ficar segurando a mala até o ônibus chegar. Ela não pareceu se incomodar. "A família que quiser se despedir, que faça isso aqui fora. É melhor assim. Eu gosto de organização", disparou Mércia.

Por enquanto, os passageiros parecem mesmo se dividir quanto à aprovação da restrição de acesso. "É ruim deixar a pessoa e ir embora. Mas pelo menos dá mais segurança. Tem os dois lados. E um lado sempre tem que ceder", filosofou o morador de Matinhos Antonio Roballo. Ele, que viu a esposa passar pelas catracas, não quis arredar o pé da Rodoferroviária. Deu a volta e parou rente às grades ao lado da pista de saída dos ônibus. E, a distância e em silêncio, continuou a despedida.

Benefícios

Para Urbs, adaptação exige "mudança cultural"

Entre os vigilantes terceirizados que atuam na Rodoferroviária, inclusive controlando o acesso à nova área de embarque, não parece haver polêmica – todos que foram ouvidos pela reportagem aprovaram a mudança. Um deles, que preferiu não ser identificado, resumiu a percepção geral do grupo: "Antes ficava todo mundo lá dentro. Agora ficou melhor."

A diretora de Urbanização da Urbs, Denise Sella, afirma que a instalação das catracas pretende dar mais conforto e segurança aos passageiros, com uma "sala de embarque aos moldes de um aeroporto" – sem o inconveniente de detectores de metal e vistorias em bagagens. Mas a diretora reconhece que, pelo menos por enquanto, a resposta dos usuários não tem sido tão calorosa.

"A cultura é que todo mundo entra, a família inteira, e aí o espaço de um embarcante é ocupado por cinco ou seis pessoas. Assim as salas de embarque não ficam atrativas. Vamos ter que fazer um trabalho incansável para mudar essa cultura. Se as pessoas não podem fazer isso no aeroporto, também não farão na rodoviária", afirma Denise, mostrando que a Urbs tem levado a sério a comparação entre as viagens aéreas e terrestres.

Acompanhamento

Os equipamentos também pretendem ser usados para gerar relatórios sobre o itinerário dos passageiros e, assim, otimizar os serviços para atender as viagens mais frequentes – no momento da leitura do código de barras, as informações sobre o destino do passageiro ficam gravadas em um sistema da Urbs.

Compra de bilhete

Os guichês das empresas de viagens estaduais, que hoje estão em contêineres provisórios no pátio dos fundos da Rodoferroviária, atrás do bloco em obras, mudarão de lugar nas próximas semanas. Segundo a Urbs, a venda de passagens deve ser transferida até o próximo 15 de novembro para a praça que fica em frente à nova ala. A decisão foi tomada após muitos passageiros terem passado por um verdadeiro sufoco no último feriado.

Como todos os embarques estão concentrados na nova ala, os viajantes primeiro seguiam até os fundos da Rodoferroviária para depois ter de dar a volta nos dois prédios e encontrar os ônibus. Como muitos deixaram para comprar e retirar os bilhetes em cima da hora da viagem, a gritaria foi geral.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Alça de contorno da Grande Florianópolis ficará pronta somente em 2018

30/04/2013 - ND Online

"Complexidade das obras" foi a justificativa dada pela concessionária Autopista Litoral para a demora na conclusão das obras.

Se a visita dos vereadores de Biguaçu à sede da Autopista Litoral Sul, em Joinville, serviu para aproximar Câmara Municipal e empresa, as respostas aos encaminhamentos não foram as esperadas. Uma delas é que a Alça de Contorno da Grande Florianópolis deverá ficar pronta somente em 2018, fazendo com que o trecho da BR-101 no município continue com tráfego intenso de caminhões.

"O trecho de aproximadamente 51 km deve ser concluído entre três e quatro anos, isso por conta da complexidade de obras de arte, como o túnel de 6 km de extensão, em Palhoça", explicou diretor superintendente da concessionária em Santa Catarina, Paulo Mendes Castro. A previsão é de que a Alça de Contorno comece a ser construída no final de 2013, ou no primeiro semestre de 2014. Isso faz com que o término da obra aconteça em 2018.

Outros pontos discutidos e relacionados num documento de 22 tópicos entregue pelos vereadores foram como fechamentos dos acessos à BR-101, construção de passarelas e viadutos, manutenção de vias paralelas e iluminação da rodovia. Quanto ao fechamento dos acessos, Castro afirmou que os fechamentos feitos pela empresa foram determinados pela PRF (Polícia Rodoviária Federal). "Não foi iniciativa nossa, apenas cumprimos uma determinação visando a segurança dos usuários exigida pela PRF", explicou.

"Esse primeiro contato com a concessionária foi muito importante para estreitar o canal de comunicação entre nós,representantes do povo, e aAutopista. São muitos os questionamentos que chegam diariamente aos vereadores, como os fechamentos dos acessos às marginais" ressaltou Manoel Airton Pereira (PP) o popular Bilico, presidente da Câmara, que liderou os 15 vereadores de Biguaçu na visita.

Nova reunião vai discutir mobilidade

Como o município contesta o fechamento de acessos às ruas marginais da BR BR -101, os participantes do encontro de ontem definiram o agendamento de uma nova reunião Dessa vez, entre a Prefeitura Municipal de Biguaçu, a Câmara dos Vereadores, a PRF (Polícia Rodoviária Federal) e a concessionária, para discutir as melhorias de mobilidade na região.

Entre as solicitações dos vereadores estão mudança do trevo de acesso a São Miguel, a manutenção no acesso sob a ponte de Cachoeiras, mudança no acesso ao Jardim Marcos Antônio e Bom Viver (que segundo a Câmara está em São José e deveria ser mais à frente, em Biguaçu) e a ligação da SC-408 à BR BR -101. Da lista entregue ao superintendente da concessionária também constam o pedido para construção de passarelas no Jardim Carolina, bairro Bom Viver, ligando as ruas Paulo Zimmermann e Cecília Maria José e outra em frente à rua Geraldino de Azevedo (em frente ao Morro da Bina) e em frente à saída do bairro Vendaval (rua Marechal Deodoro).

Acesse essa notícia direto da fonte.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Prefeito da capital assina contrato de R$ 56 milhões do PAC Mobilidade

16/10/2013 -  G1 AC

Sete trechos de vias de Rio Branco serão duplicadas pela prefeitura. O superintendente da Caixa Econômica Federal (CEF), Anacleto Grosbelli, esteve na manhã desta terça-feira (16) no gabinete do prefeito, Marcus Alexandre, para a assinatura do contrato de R$ 56 milhões referente ao Programa de Aceleração do Crescimento  (PAC) Mobilidade Urbana.

Rio Branco está sendo uma das primeiras cidades do país a assinar efetivamente o contrato, de acordo com a CEF. Os locais escolhidos para a intervenção urbana são aqueles considerados pela prefeitura como vias estruturantes da cidade, onde o fluxo de veículos é mais intenso.

As vias de grande movimentação que serão contempladas são: um trecho da estrada da Floresta, iniciando na rotatória do shopping Via Verde até a rotatória de acesso à estrada do Calafate; estrada das Placas, do trecho da rotatória de acesso ao Tancredo Neves até o posto Thalma e no início da estrada Apolônio Sales até as Mangueiras.

A estrada da Sobral também passará por duplicação, desde a bifurcação para a estação de tratamento de água até a Ceasa. Também está previsto o alargamento das ruas São Salvador e Campo Grande, na região da Baixada.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Bairros com shoppings valorizam 46% a mais ante outros locais

02/08/2013 - Monitor Mercantil

O mercado de shopping centers além de movimentar a economia local das cidades que recebem os empreendimentos, por meio da atração de novos negócios e geração de empregos, também contribui para a valorização de imóveis nessas regiões. Uma pesquisa encomendada ao Grupo de Estudos Urbanos, pela Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce), revela que entre 2007 e 2011, a valorização de empreendimentos próximos a centros comerciais foi 46% superior ao restante das cidades. O levantamento também aponta que os municípios que receberam esses complexos tiveram um aumento de 82% na arrecadação do IPTU.to de 7% nas vendas em shoppings

Senado aprova projeto que possibilita criação de 180 novos municípios

17/10/2013 - O Estado de São Paulo

A matéria, que não define os custos para adoção de novas estruturas, foi aprovada por unanimidade e segue agora para sanção presidencial

Débora Álvares e Ricardo Brito - O Estado de S. Paulo
Brasília - Após uma intensa pressão nos bastidores, o projeto de lei complementar que define novas regras para a criação de municípios foi aprovado pelo Senado. A proposta abre a possibilidade de criação de pelo menos novos 180 municípios, que poderão se juntar aos 5.578 existentes no País. Já analisada pela Câmara dos Deputados, após ter tido um apoio quase unânime dos senadores, a matéria segue agora para sanção da presidente Dilma Rousseff.

Veja também:
Congresso inicia corte de salários dos servidores

A proposta não define o valor a ser gasto para a adoção das novas estruturas administrativas, que vão abrigar prefeitos, vereadores e servidores municipais. Estimativas não oficiais, contudo, apontam cerca de R$ 9 bilhões em novos gastos.

O assunto tem preocupado o Palácio do Planalto, segundo admitem reservadamente parlamentares governistas. O Executivo não tentou barrar a proposta, já de olho nas eleições de 2014 e na necessidade de agradar as bases.

A votação às vésperas do ano eleitoral também influenciou o posicionamento dos senadores. Apenas o tucano Aloysio Nunes (SP), líder do partido na Casa, se declarou abertamente contra a proposta.

"Hoje há um número de municípios que já estão com seus limites de gastos absolutamente ultrapassados. Portanto, a situação do País não é a melhor nesse momento. Em outras circunstâncias de temperatura e pressão, poderia ser aceito", disse. Ciente da falta de consenso na bancada, ele não orientou os senadores do partido a votarem contra, liberando a votação.

Embora não tenha se manifestado contra a proposta, o presidente do DEM, senador José Agripino (RN), disse que o Senado vai arcar com o ônus de ter facilitado a "proliferação de municípios". Inácio Arruda (PCdoB-CE) disse que a proposta cria regras mais rígidas para quem tem condições de se emancipar. "Quem quiser fazer leitura equivocada, que faça."

Para o senador Valdir Raupp (PMDB-RO), relator do projeto, só quem nunca morou em distrito é contrário a essa proposta. "Eu morei num distrito que depois virou cidade. Não vai prejudicar ninguém. Pelo contrário, vai favorecer. Não votar esse projeto é deixar relegada a população à própria sorte." Até o senador Jader Barbalho (PMDB-PA), num raro pronunciamento, defendeu a aprovação da matéria, que, na opinião dele, ajuda as localidades desassistidas pelo poder público.

Novas regras. A proposta estipula novas regras para criação, desmembramento, fusão e incorporação dos municípios. A matéria foi apresentada em 2002 com o objetivo de regulamentar uma emenda constitucional que havia sido aprovada pelo Congresso seis anos antes. Para acabar com a farra na criação de municípios - cerca de 1,5 mil entre a Constituição de 1988 e 1996 -, a emenda tirou da esfera estadual a autonomia para estabelecer os critérios para o nascimento das novas unidades. A proposta de Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) objetiva estipular esses critérios.

O texto define como "indispensável" a apresentação de um Estudo de Viabilidade Municipal (EVM), contendo análises de viabilidade econômico-financeira, político-administrativa e socioambiental e urbana da nova unidade, para prosseguir com o processo. "De fato, este projeto é moralizador. Se esta lei já existisse há uns 15 anos atrás, cerca de 2,8 mil municípios não seriam criados", afirmou Cavalcanti. Segundo ele, não há qualquer investimento da União ou dos Estados para criação desses novos municípios, uma vez que as unidades recém-criadas terão de ser autossustentáveis e contarão com o rateio dos recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) oriundo da divisão da antiga unidade.

O texto prevê todo um rito para se chegar à criação de um município. Primeiro, o pedido terá de ser encaminhado para a Assembleia Legislativa do respectivo Estado com o apoio de pelo menos 20% do eleitorado da área envolvida. Outra exigência é que cada localidade tem de ter uma população mínima para criar o município - na região Sudeste, por exemplo, mais de 12 mil habitantes.

A ideia, segundo o autor, é impedir a criação de cidades como Borá, em São Paulo, que, segundo o censo do IBGE, tinha 980 habitantes em 2010. Em seguida, é preciso fazer o Estudo de Viabilidade Municipal (EVM) e comprovar, entre outras questões, que o novo município é capaz de cumprir as exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal. Após a conclusão dessa etapa, será realizado um plebiscito para consultar a população acerca das mudanças.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

A Alphaville vai construir complexo no Vetor Norte, em Belo Horizonte (MG).

19/06/2013 - O Globo

O espaço de 2,5 milhões de metros quadrados, dentro do empreendimento Terras Fidalgo, vai abrigar residências, comércio, empresas e escolas. É aporte da R$ 200 milhões. As obras devem começar em 2015.

Promessa de mais R$ 50 bi para transporte

25/06/2013 - O Estado de São Paulo

Na abertura de reunião com prefeitos e governadores, a presidente Dilma Rousseff prometeu R$ 50 bilhões para melhorias em trânsito e transporte público. Anunciado sob pressão de manifestantes em todo o País, o investimento, volumoso, contrasta com a execução orçamentária acanhada do governo federal nos últimos anos: só 15% da verba prevista no Programa de Mobilidade Urbana saiu do cofre.

"Decidi destinar mais R$ 50 bi para novos investimentos", afirmou Dilma. Ela sustentou que nos últimos anos o Brasil tem tido "grande investimento" em transporte coletivo. E defendeu a participação da sociedade na discussão política sobre os rumos do setor. Para isso, anunciou a criação do Conselho Nacional de Transporte Público, com integrantes da sociedade civil e usuários.

A presidente ressaltou que o governo manteve congeladas as tarifas de metrô e trens operados pelo governo federal desde 2003. "Desoneramos também o IPI para compra de ônibus, estamos dispostos agora a ampliar a desoneração do PIS e Cofins sobre óleo diesel dos ônibus e a energia elétrica consumida por metrôs e trens. Esse processo pode ser fortalecido pelos Estados e os municípios com a desoneração de seus impostos", prosseguiu.

Desde 2005, R$ 8 bilhões foram previstos em orçamento para o Programa de Mobilidade, mas só R$ 1,2 bilhão foi efetivamente gasto. No governo Dilma, R$ 5,7 bilhões foram disponibilizados - dos quais R$ 489 milhões pagos. Os dados são do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do governo federal. O programa banca melhorias nos sistemas de transporte e trânsito das grandes cidades, além da expansão do sistema viário.

Desempenho. Em 2011, primeiro ano de mandato da presidente, o governo previa gastar R$ 650 milhões, mas R$ 12,9 milhões (1,9%) foram usados. Foi o pior desempenho na execução do programa desde 2005. Em 2012, o governo gastou 9,7% do previsto: R$ 271 milhões, de um total de R$ 2,78 bilhões.

Para apoiar projetos de transporte coletivo urbano, por exemplo, havia R$ 1,2 bilhão reservado, sendo que R$ 1,6 milhão foi aplicado. Para modernizar sistemas da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), que opera o metrô de cidades como Belo Horizonte, havia R$ 250 milhões em caixa e R$ 3,4 milhões foram usados.

Fora os recursos do orçamento, o governo abriu nos últimos anos linhas de crédito em bancos oficiais, como a Caixa, para destravar os sistemas de transporte e trânsito das cidades-sede da Copa. As obras foram apresentadas como legado do evento. O balanço mais recente do Tribunal de Contas da União, que as monitora, mostra que, dos 41 projetos bancados pela Caixa, ao custo de R$ 4,8 bilhões, 23 haviam recebido algum recurso até fevereiro, com desembolso de R$ 1,3 bilhão ou 27% do total.

O ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, admitiu que a qualidade dos serviços precisa melhorar. "Nós temos hoje uma prestação de qualidade de serviço no transporte urbano muito deficiente", reconheceu, ponderando, contudo, que a responsabilidade de gerir o transporte público é de Estados e municípios. "Temos hoje recursos alocados e destinados para este investimento. Não estamos falando de futuro, estamos falando de presente", ressaltou, ao observar que já há R$ 30 bilhões em recursos federais contratados pelos demais entes federados.

Fonte: O Estado de S. Paulo
Publicada em:: 25/06/2013

Prédio de 66 andares está sendo construído no país

14/07/2013 - O Dia, Cristiane Campos

Residencial com 240 metros de altura vai ficar no Balneário de Camboriú

O Balneário de Camboriú (SC) vai ganhar o maior residencial da América do Sul, segundo dados do The Skyscraper Center (banco de dados global sobre edifícios no mundo). A FG Empreendimentos deu início à construção do Infinity Coast, que terá 66 andares e 240 metros de altura. O projeto prevê ainda infraestrutura de resort diferenciada nunca vis ta no País. O valor do metro quadrado das unidades é de R$ 7 mil e a previsão de entrega é para o final de 2017.

De acordo com o diretor Comercial da FG Empreendimentos, José Antônio Roncaglio, o empreendimento já registrou valorização de 3% desde o início das reservas, em janeiro de 2012, até agora.

Para fins de comparação, o material que estará debaixo da terra e será usado nos blocos e fundação equivale a um edifício de 30 andares. Outro número impressionante é que serão utilizadas mais de 3,5 mil toneladas de aço no empreendimento. A FG Empreendimentos informou ainda que um documento do The Skyscraper Center apresenta uma lista dos maiores arranha- céus do mundo, com o Infinity Coast figurando como o maior da América do Sul. Em termos de Brasil, o relatório lista 54 prédios, de 111 a 240 metros. O Infinity Coast aparece em primeiro lugar também. É 58 metros maior do que o segundo colocado, construído em João Pessoa (PB).

No ranking geral estão 10 prédios de Balneário Camboriú, três deles (incluindo o Infinity Coast) são da FG. A pesquisa está disponível no site www.ctbuh.org , no link "The Skyscraper Center".

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Resort

15/10/2013 - O Globo

O grupo espanhol Iberostar construirá um resort cinco estrelas na capital alagoana. Projeto de R$ 55 milhões, o Iberostar Magia Maceió terá 244 quartos e suítes, além de áreas de lazer e convenções. José Antonio Gonzalez, CEO da rede, está em Alagoas para o lançamento, hoje.

Pronto em 2015, o resort elevará em 17% a oferta de quartos Iberostar no país. Com dois hotéis na Bahia e barco no Amazonas, o Brasil é o maior mercado do grupo na América Latina. Equivale a 8% da receita global.

sábado, 12 de outubro de 2013

Com R$ 360 mi, grupo mineiro prepara lançamento de quatro shopping centers

04/10/2013 - Folha de São Paulo, Mercado Aberto

O grupo Müller Partners, de Belo Horizonte, vai lançar até o final deste ano quatro novos shopping centers nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, com investimentos estimados em R$ 360 milhões.

Os centros comerciais serão construídos em Araras e Sertãozinho, no interior paulista, além de Itaúna (MG) e Santa Maria (RS).

O aporte na unidade de Araras inclui um hotel com 128 apartamentos que será erguido no mesmo complexo.

"Nos especializamos em municípios de pequeno e médio portes, de 100 mil a 400 mil habitantes, onde há demanda para esses empreendimentos", diz Rayone Müller, presidente da empresa.

"São localidades cujas regiões, num raio de até 20 minutos de deslocamento, representam um bom potencial de consumo", afirma.

Os quatro shoppings devem ser entregues até outubro de 2015. Juntos, eles terão um total de 575 lojas.

Os recursos virão de aportes próprios, investidores e financiamentos, afirma Müller.

Além dos quatro, a companhia lançou neste ano um centro de compras em Campina Grande (PB). Outro empreendimento, em Pouso Alegre (MG), foi aberto em abril.

"Antes, atuávamos do planejamento dos shoppings e captação de investidores até a comercialização. Agora, com os novos, vamos também administrar os locais."

Em 22 anos, o grupo participou de projetos de 40 shoppings, diz o presidente

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Cinco obras de transporte devem ficar prontas após a Copa em Porto Alegre

07/10/2013 - G1 RS

Ao visitar Porto Alegre nesta segunda-feira (7), o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, terá a oportunidade de conferir de perto os atrasos nas obras de mobilidade urbana previstas para a Copa do Mundo de 2014 na capital gaúcha. Dos sete projetos sob responsabilidade da prefeitura, cinco não devem ser concluídos até a realização do Mundial, em junho de 2014.

As duplicações da Avenida Tronco e da Rua Voluntários da Pátria, a maioria das intervenções na Terceira Perimetral, o prolongamento da Avenida Severo Dullius e a implementação do sistema de transporte de ônibus rápido (BRT, na sigla em inglês) só deve ficar prontas após os cinco jogos que a cidade vai sediar. Alguns projetos estão atualmente sem prazo para conclusão e podem ficar para 2015.

Os atrasos no cronograma e na execução das obras foram provocados pelos mais variados motivos, desde disputas judicias, passando por dificuldades com desapropriações de áreas e reassentamento de famílias até impasses ambientais e arqueológicos. Mas também por falta de planejamento e falhas na elaboração dos projetos, aponta o Tribunal de Contas do Estado (TCE-RS).

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, vai acompanhar Jérôme Valcke na visita a Porto Alegre. Antes de cumprir os compromissos da agenda, ele participou do programa Bom Dia Rio Grande, da RBS TV. Na entrevista, o ministro destacou que as obras da capital "andam bem".

"Temos seis estádios prontos para Copa, que receberam os jogos da Copa das Confederações, e até dezembro queremos os outros seis, com eles o Beira-Rio, que tem hoje mais ou menos 85% das obras já concluídas", resumiu Rebelo. Ele reiterou que considera a cidade preparada. "Porto Alegre está habituada a receber grandes eventos. Sediou jogos da Copa de 1950, recebeu o Fórum Social Mundial, tem aeroporto em boas condições, tem também o estádio do Grêmio em padrão internacional, e temos as obras de mobilidade. Umas ficarão prontas antes, e outras depois", completou.

O ministro ressaltou que as obras de mobilidade realizadas com o objetivo de ficarem prontas antes da Copa são de responsabilidade das prefeituras e governos estaduais. "Essas obras de mobilidade urbana não constam nos encargos das obrigações que o Brasil assinou com a Fifa. São obras do PAC, previstas independentemente de o país ter Copa ou não. Os governos e as prefeituras resolveram antecipar para facilitar a Copa", explicou.

Em relatório divulgado recentemente sobre o acompanhamento dos projetos de transporte até julho, o TCE-RS afirma que todas as 10 obras (o sistema BRT compreende quatro projetos, incluindo o monitoramento dos corredores) e etapas "estão em atraso com relação aos prazos estabelecidos nos cronogramas físico-financeiros de seus contratos".

Segundo os auditores, o descumprimento do cronograma "evidencia falhas de planejamento e de organização" e "favorece o aumento do custo global" das obras, além de diminuir a qualidade de vida dos porto-alegrenses, obrigados a conviver por mais tempo com os transtornos causados pelos bloqueios parciais ou totais de vias.

"De maneira geral, alguns projetos básicos apresentavam ausência de elementos quem permitissem uma análise técnica dos projetos", explica a auditora do TCE, Andrea Mallmann Couto ao G1, acrescentando que a maioria dos atrasos é decorrente dos entraves que a prefeitura está tentando administrar.

Na avaliação do órgão, o contrato de cooperação firmado em 2009 com o Centro das Indústrias do Rio Grande do Sul (Ciergs), que doou projetos básicos e executivos ao município para agilizar o início das obras, "não surtiu o efeito desejado". Os documentos só foram entregues para análise da Caixa dois anos depois, em agosto de 2011, e sem todas as informações necessárias, o que atrasou a liberação dos recursos. 

O presidente do departamento estadual do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB-RS), Tiago Holzmann da Silva, concorda com a avaliação do TCE sobre a falta de planejamento dos projetos e diz que muitas das obras que estão em andamento na cidade não vão resolver os problemas de mobilidade urbana da capital.

"A gente percebe com muita clareza, independente da qualidade das obras, a falta de planejamento. Foram feitas de maneira apressada, sem planejamento do ponto de vista urbanístico e também dos projetos. Não há um grupo qualificado que pense no projeto de cidade que nós queremos e estamos construindo", opina Tiago.

Procurada pela reportagem para comentar os atrasos, a Secretaria de Gestão não retornou os contatos. Em artigo publicado no jornal Zero Hora na última quinta-feira (3), o secretário Urbano Schmitt reconheceu o descumprimento dos prazos, mas destacou os esforços da prefeitura e o legado que essas ações deixarão para a cidade.

Como todos os projetos foram retirados da Matriz de Responsabilidade do Mundial e transferidos para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), conforme anúncio feito pelo prefeito José Fortunati em junho, não há risco de perda de financiamentos. Um novo cronograma para as obras deve ser definido em conjunto com o governo federal.

Confira o andamento das obras da Copa em Porto Alegre

Duplicação da Avenida Tronco

- Custo: R$ 156 milhões

- Prazo anterior: maio de 2014

- Novo prazo: indeterminado

- Status: atrasada, sem chances de ficar pronta a tempo do Mundial, diz o TCE

Iniciada em maio de 2012, as obras de duplicação de 4,6 quilômetros da Avenida Tronco estão em andamento, mas não ficarão prontas antes da Copa. Problemas para o reassentamento de 1,4 mil famílias que moram sobre o futuro leito da via emperraram a obra. Segundo o TCE, até o dia 5 de junho, apenas 352 desapropriações haviam sido acertadas. O cronograma também foi prejudicado pela falta de interesse das construtoras nos projetos das moradias populares do programa Minha Casa, Minha Vida. As casas devem começar a sair do papel apenas em 2014.

Duplicação da Rua Voluntários da Pátria

- Custo: R$ 95,3 milhões

- Prazo anterior: maio de 2014

- Novo prazo: indeterminado

- Status: atrasada, sem chances de ficar pronta no prazo previsto, diz o TCE.

Os trabalhos de duplicação de 3,5 quilômetros da Rua Voluntários da Pátria começaram há mais de um ano, mas hoje estão praticamente parados. A prefeitura enfrenta problemas para desapropriar moradores e comerciantes, que ingressaram com ações na Justiça. Além disso, um sítio arqueológico foi encontrado no subsolo e agora a obra precisa ser acompanhada por um arqueólogo. Conforme a prefeitura, as obras no trecho dois, entre a Rua Ramiro Barcelos e Avenida Sertório, tiveram ordem de início no final de setembro. A estação São Pedro não havia sido licitada até junho, diz o TCE.

Obras da Terceira Perimetral

- Custo: R$ 194,1 milhões

- Prazo anterior: maio de 2014

- Novo prazo: indeterminado

- Status: algumas etapas da obra serão concluídas depois da Copa

Das cinco intervenções no trecho de 9 quilômetros da Terceira Perimetral, pelo menos quatro podem não ficar prontas até junho: as passagens subterrâneas da Rua Anita Garibaldi e das avenidas Cristóvão Colombo e Ceará e o viaduto da Avenida Plínio Brasil Milano.

Na Anita, a obra parou por causa de uma rocha encontrada no subsolo. A prefeitura diz que recentemente foi feito um termo aditivo no projeto para realizar a remoção e não descarta a conclusão antes do Mundial. Já na Plínio o entrave é uma disputa judicial para a desapropriação de uma revendedora de veículos. Na trincheira da Cristóvão Colombo, os trabalhos de escavação devem iniciar apenas neste mês. Na Ceará, os funcionários só podem trabalhar durante a madrugada, o que atrasou o planejamento. A situação é mais animadora no viaduto duplo da Bento Gonçalves, que deve ser concluído até o Mundial.

Prolongamento da Av. Severo Dullius

- Custo: R$ 83 milhões

- Prazo anterior: maio de 2014

- Novo prazo: indeterminado

- Status: obra atrasada

Com as obras recém-iniciadas, o prolongamento da Avenida Severo Dullius não ficará pronto até a Copa, admite a prefeitura. O atraso foi ocasionado por entraves ambientais: o projeto básico previa a execução do traçado da via sobre um aterro sanitário, com necessidade de remoção de grande volume de lixo. Com isso, a licença ambiental não foi emitida. O projeto foi alterado e está em fase de conclusão, segundo o Executivo.

Sistema de ônibus rápidos (BRTs)

- Custo: R$ 208,8 milhões

- Prazo anterior: maio de 2014

- Novo prazo: indeterminado

- Status: obras atrasadas e com etapas não licitadas; ficará para depois da Copa

A implementação dos BRTs inclui quatro projetos: os corredores das avenidas João Pessoa, Bento Gonçalves e Protásio Alves e a central de monitoramento. O novo sistema de transporte público, no entanto, só entrará em operação depois da Copa, já antecipou a prefeitura.

Vários problemas atrasaram o cronograma. O último deles foi um apontamento do TCE que detectou sobrepreço superior a R$ 1 milhão na execução das obras. Após o Executivo prestar esclarecimentos, os trabalhos foram liberados e serão retomados no dia 10, anunciou a prefeitura. A falta de areia para a construção civil em função da suspensão judicial da extração no Rio Jacuí também afetou o cronograma. Além disso, a prefeitura ainda não licitou as obras de terminais e de estações, cujos projetos ainda estão em fase de elaboração.

Avenidas Edvaldo Pereira Paiva

(Beira-Rio) e Padre Cacique

- Custo: R$ 119,2 milhões

- Prazo anterior: maio de 2014

- Novo prazo: não há

- Status: obras dentro do prazo

Exigência da Fifa para a realização dos jogos no Estádio Beira-Rio, a duplicação da Avenida Edvaldo Pereira Paiva (Beira-Rio) e o corredor da Padre Cacique estão com o cronograma em dia, diz a prefeitura. Os trechos 1 e 2 da Beira-Rio (entre a Rótula das Cuias e o velódromo) estão concluídos, assim com a ponte sobre o Arroio Dilúvio. O trecho 3 (entre o velódromo e a Pinheiro Borda) está em fase final e o trecho 4 (entre a Rótula das Cuias e a Usina do Gasômetro) já avança pela Loureiro da Silva. O viaduto da Pinheiro Borda e o corredor da Padre Cacique também ficarão prontos a tempo.

Complexo da Rodoviária

- Custo: R$ 31,5 milhões

- Prazo anterior: maio de 2014

- Novo prazo: maio de 2014

- Status: atrasada, mas com previsão de conclusão antes do Mundial.

O projeto do Complexo da Rodoviária compreende a construção do viaduto da Avenida Júlio de Castilhos e a estação de ônibus com acesso subterrâneo. Apesar do atraso de quase 40% na execução, conforme o TCE, as obras do viaduto estão em andamento e devem ficar prontas até a Copa. Segundo a prefeitura, o cronograma atrasou porque, durante as perfurações no solo, uma tubulação foi encontrada e o projeto de um pilar teve que ser alterado. Já a estação de ônibus ainda não foi licitada, o que deve ocorrer até outubro, diz a prefeitura.